"12 Years a Slave" arrasou no Spirit

Na antessala do Oscar, o filme de Steve McQueen se destacou em cinco categorias.

Na noite deste sábado, no Film Independent Spirit Awards transmitido pelo TNT para toda a América Latina, o filme "12 Years a Slave" arrebatou alguns dos prêmios mais importantes, colocando-se mais uma vez como o favorito ao Oscar. Depois de levar apenas dois prêmios das 11 indicações ao Globo de Ouro e ao SAG, deste vez o filme de Steve McQueen conseguiu cinco estatuetas das sete em que estava indicado . 

O longa baseado nas memórias de Solomon Northup venceu como Melhor Filme, desbancando "All Is Lost", "Frances Ha", "Inside Llewyn Davis" e "Nebraska", seu maior concorrente. Além disso, o diretor britânico venceu Shane Carruth, J.C. Chandor, Jeff Nichols e Alexander Payne na categoria de Melhor Direção. A atriz Lupita Nyong'o, também conquistou o prêmio de Melhor Atriz por seu papel de Patsey, e Sean Bobbitt e John Ridley como Melhor Fotografia e Melhor Roteiro, respectivamente. 

Os que ficaram com vontade de celebrar foram Chiwetel Ejiofor e o alemão Michael Fassbender, que viram Matthew McConaughey e Jared Leto novamente vencerem por seus desempenhos como Ron Woodroof e Rayon em "Dallas Buyers Club". Já Cate Blanchett, como era de se esperar, pisou novamente o palco para receber o prêmio por seu papel em "Blue Jasmine", desbancando mais uma vez Julie Delpy (Before Midnight), Gaby Hoffmann (Crystal Fairy) Brie Larson (Short Term 12) e a jovem Shailene Woodley (The Spectacular Now).

"Fruitvale Station", de Ryan Coogler, foi premiado como Melhor Ópera Prima, e Bob Nelson, por "Nebraska", foi escolhido como Melhor Primeiro Roteiro. O prêmio de Melhor Documentário foi para "20 Feet from Stardom", do californiano Morgan Neville; Melhor Edição para Nat Sanders, de "Short Term 12"; e Melhor Filme Estrangeiro para o francês "Blue Is the Warmest Color", desbancando o favorito "La grande bellezza". Finalmente, o Prêmio John Cassavetes, para filmes feitos com menos de US$5.000, foi para "This Is Martin Bonner"; e o Robert Altman para "Mud".
por Alejandro Cusa