Golden Globes: "Gravity", um forte concorrente

O filme do mexicano Alfonso Cuarón poderia ser o vencedor na categoria Melhor Filme Dramático, mesmo competindo com "12 Years a Slave"

No próximo domingo, dia 12 de janeiro, a Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood celebrará a septuagésima primeira entrega do Globo de Ouro, premiação dedicada ao melhor do cinema e da TV. No tnt estamos analisando a principal categoria, a de Melhor Filme, que está segmentada entre drama e comédia e/ou musical. Agora, chegou a vez de comentar sobre um dos mais fortes candidatos: "Gravity", do mexicano Alfonso Cuarón

Uma equipe de astronautas de uma unidade espacial faz trabalhos de manutenção e instalação de um dispositivo num satélite quando são alertados de um fenômeno que poderia colocar em risco não apenas a missão, mas também a vida de todos os envolvidos. Com a ocorrência do inevitável acidente, a equipe viverá uma série de situações e riscos exponenciais.  

O instinto de sobrevivência e a tentativa de voltar à Terra são os elementos angustiantes que caracterizam a trama, provocando intensas emoções. O medo gerado sufoca, sem a necessidade de fenômenos paranormais, demoníacos ou de um serial killer exterminando adolescentes. Com uma trama paralisante, "Gravity" é terror no seu estado mais puro, pânico geral.  

Contra quem concorre?
"12 Years a Slave"
"Captain Phillips"
"Philomena"
"Rush" 

A Anedota
Quando Alfonso Cuarón apresentou seu aclamado "Y Tú Mamá También" no Festival de Cinema de Cannes, decidiu celebrar o sucesso do filme com dois amigos, os mexicanos Gael García Bernal e Diego Luna. Durante a comemoração, ele recebeu um pacote. Era o roteiro de "Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban". Entre taças e risadas seus amigos Gael e Diego fizeram brincadeiras com Alfonso pelo ocorrido. O diretor deixou o roteiro dentro de uma caixa. Até que por casualidade ou por "culpa" de um dos seus filhos, terminou caindo em suas mãos o primeiro livro do garoto mago, o Harry Potter. Completamente absorvido pela trama, ele decidiu folhear o roteiro de "O Prisioneiro de Azkaban". O resto é história. Para rodar o filme produzido pelo britânico David Heyman, Alfonso foi morar em Londres. E sabe quem o incentivou a filmar "Gravity"?  David Heyman é claro, que também assina a produção. 

Pontos a Favor
"Gravity" é uma viagem incansável a todas essas sensações humanas relacionadas a angústia e a opressão. As fobias a imensidão, a escuridão, a solidão, o silêncio afloram numa história um tanto fantasiosa e até mesmo com certas inconsistências científicas, mas com um dramatismo e um turbilhão de emoções que tornam o filme um prazer sufocante.
Visualmente é alucinante. E, devido à falta de tecnologia necessária, eles demoraram seis anos para terminá-la. Tiveram até que desenvolverem novos equipamentos para que o filme pudesse ser apreciado da maneira como deveria ser. 
O trabalho do fotógrafo mexicano Emanuel "El Chivo" Lubeski foi difícil e o resultado fantástico. Não apenas pelos enquadramentos e deslocamentos, mas também pelo desenho de luz. Nada de cromaki verde ou azul, pois Cuadrón e Lubeski queriam evitar certos reflexos de luz e tonalidade cromática no rosto dos atores. O desafio era gerar uma luz estranha, próxima a existente no espaço, onde fenômenos de reflexão e refração são bem diferentes dos que conhecemos.
O mesmo aconteceu com o som e a sua propagação. Tudo foi desenhando e executado na produção. É surdo e provoca essa imensa desolação que só pode ser sentida no espaço. 
A história é interessantíssima com uma grande teoria do caos e tomada de decisão em meio ao pânico. A direção é magistral. O trabalho de Cuarón é intenso: escreveu, produziu, dirigiu e editou. Gerou um longa-metragem vasto, generoso dramaticamente e repleto de recursos visuais e auditivos.  Conclusão: eterno, alucinante e uma referência certa em todos os sentidos. História pura.
Sandra Bullock consegue captar a audiência com um trabalho interessante. Coreografias complexas e um trabalho quase de mímico, em silêncio, com expressões e com um halo de medo constante. A angústia da atriz contagia o espectador. 

Pontos contra
É difícil colocar um "porém" neste filme. Talvez seus pontos mais fracos sejam mesmo seus concorrentes, mais especificamente "12 Years a Slave", que trata de um tema histórico, doloroso, com um tom devastador.
Está baseado num fato real, enquanto que o filme de Cuadrón é uma grande fantasia. A obra do britânico Steve McQueen deixa um eco e um aperto no peito, enquanto "Gravity", apesar da angústia, não deixa essa sensação desoladora, de reflexão, de pensamento. Segundo lugar para Gravity? Talvez. 

Quais são as chances?
Muitas, sem dúvida. Diferente dos demais concorrentes dessa categoria, seu maior rival é "12 Years a Slave", o grande favorito.  "Gravity" seria então a pedra no sapato. Não vai ser fácil, mas não se surpreendam se o filme levar o prêmio para casa. 

Quais são as outras indicações ao Globo de Ouro?
Sandra Bullock está indicada na categoria Melhor Atriz de Filme Dramático, concorrendo com Judi Dench (Philomena), Emma Thompson (Saving Mr. Banks), Kate Winslet (Labor Day) e Cate Blanchet (Blue Jasmine). Cate é a favorita e Winslet talvez seja a concorrente mais fraca. Mesmo assim, Sandra tem poucas chances de ganhar o Globo de Ouro.  
Alfonso Cuarón está indicado como Melhor Diretor e concorre com Paul Greengrass (Captain Phillips), Steve McQueen (12 Years a Slave), Alexander Payne (Nebraska) e David O. Russell (American Hustle). Esta é uma categoria bem concorrida por sua diversidade de estilos. Tem um pouco de tudo. Alguns focaram seu trabalho na parte dramática e outros na ação e no visual. Alguns trabalharam com poucos recursos e outros com grandes orçamentos. Talvez o trabalho mais completo seja o do mexicano, apesar de arriscado. Acredito que ele seja o favorito nesta categoria e possa levar o Globo de Ouro pela complexidade do seu trabalho e por ter ainda produzido, escrito, dirigido e editado o filme.
Mas logo atrás estaria o diretor Steve McQueen, que fez um trabalho heróico e esmagador, dramaticamente falando. Ele soube tirar o melhor dos seus atores e é, sem dúvida, um grande diretor. Não seria uma surpresa se ele ganhasse o prêmio, mesmo assim acho Cuadrón o favorito.  

De todas as maneiras, neste domingo, dia 12 de janeiro, finalmente saberemos quem será o vencedor no evento que será transmitido pelo TNT para toda a América Latina. E vocês, o que acham?


por Rafa Sarmiento