Golden Globes: "Philomena", mesmo indicado não é o candidato

No tnt vamos comentar sobre as possibilidades desse filme estrelado por Judi Dench de levar o prêmio de Melhor Filme Dramático

Está chegando o Golden Globe Awards, evento que será transmitido no dia 12 de janeiro pelo TNT para toda a América Latina e que abrirá a tão aguardada  Temporada de Prêmios. Há poucos dias da cerimônia que premia os melhores do cinema e da TV, decidimos repassar o dez filmes que competem nas duas categorias: "Melhor Filme – Drama" e "Melhor Filme– Comédia ou Musical". E hoje vamos começar com "Philomena", um retrato sentimentalista de uma Irlanda conservadora.

O britânico Stephen Frears volta para marcar presença na entrega do Globo de Ouro tentando conquistar o prêmio máximo com sua sentimental adaptação do livro de  Martin Sixsmith "O Filho Perdido de Philomena Lee",  que tem como título o primeiro nome dessa mulher determinada, interpretada brilhantemente por Judi Dench.

O filme estreou na Mostra Internacional de Cinema de Veneza e depois foi exibido em Toronto. "Philomena" é o retrato de uma mulher que em sua juventude engravidou fora do casamento e foi forçada a morar num convento e dar o filho "ilegítimo"  à adoção, numa época em que a Irlanda era um país extremamente católico e conservador.  

Três décadas depois, com a ajuda de um jornalista, ela decide sair em busca do filho que foi praticamente retirado dos seus braços. Uma história emocionante que terá grandes consequências, revelações inesperadas e rejeições inevitáveis. Realmente uma trama repleta de grandes emoções, uma verdadera montanha russa, levando o espectador à reflexão e a se identificar com o drama vivenciado por uma mulher tentando entender e consertar o passado. 

Contra quem o filme compete?
"12 Years a Slave"
"Gravity"
"Rush"
"Captain Phillips"

Pontos a favor
"Philomena" é um filme tocante, com uma excelente história. As atuações de Judi Dench e Steve Coogan são marcantes e de grande delicadeza. A dupla tem uma boa química na tela, mesmo vindo de universos tão diferentes. O conflito é muito bem explorado por Stephen Frears, um diretor experiente que sabe expor com sensibilidade as relações humanas. A história flui com naturalidade e deixa no espectador essas sensações cinematográficas deliciosas e momentâneas.
A música de Alexander Desplat serve como um amplificador das emoções nos mostrando como e o que devemos sentir. Fique de olho neste filme. Quem sabe até nos surpreenda ao levar o Oscar para casa. 

Pontos contra
Apesar de ser uma bela e muito bem contada história, ela não consegue tocar profundamente a alma do espectador como acontece com outros filmes do gênero. Talve faltem alguns elementos que permitam ir mais fundo. O filme tem poucos recursos visuais e tecnológicos, até mesmo porque a trama não exige muito. Mesmo assim, ele vai encarar concorrentes de peso e talvez com tramas muito mais elaboradas.  

Quais são as chances?
Talvez este seja o candidato mais fraco de todos. Sem dúvida, é um filme de qualidade, mas tem poucas chances de levar o prêmio. Falta poder e malícia, algo que o torne eterno ou uma referência. Mas a simples indicação já é, sem dúvida, um reconhecimento justo a uma história que deveria ter sido contada e que foi feita dentro do esperado, nada mais.

Quais são as outras indicações ao Globo de Ouro?
Judi Dench compete como "Melhor Atriz de Filme Dramático".  Suas concorrentes nesta categoria são Cate Blanchet (Blue Jasmin), Sandra Bullock (Gravity), Emma Thompson (Saving Mr. Banks) e Kate Winslet (Labor Day).
O filme também concorre nas categorias "Melhor Roteiro" para Steve Coogan e Jeff Pope, que competem co,m "Her", "Nebraska", "12 Years a Slave" e "American Hustle".
por Rafa Sarmiento