James Gunn defende os super-heróis

Depois das declarações de Jodie Foster, o diretor fez um longo desabafo no Twitter

Sabe-se que os filmes de super-heróis que conquistaram as salas de cinemas nos últimos anos têm tantos fãs como detratores. No entanto, ninguém se manifestou tão sinceramente como a atriz Jodie Foster que, em uma entrevista a Times Magazine, disse que não lhe interessava trabalhar para uma indústria milionária que estava acabando com o gosto do público.

Diante dessas declarações, o criador de "Guardiões da Galáxia", James Gunn, não demorou muito em desabafar através do Twitter, onde habitualmente se expressa. Lá publicou uma nota extensa que diz:

Muitas vezes é verdade, mas nem sempre. O que ela acredita é muito comum e não diz sem fundamentos. Digo, 'sem fundamento' porque a maior parte dos filmes de franquias de estúdio não tem alma. E esse é um perigo real para o futuro do cinema. Mas também existem muitas exceções. Para que o cinema sobreviva acredito que os blockbuster PRECISAM ter uma visão e um coração que tradicionalmente não têm. E alguns de nós estamos fazendo o possível para avançar nessa direção. "Acho que Foster vê o cinema de uma maneira um tanto antiquada, na qual o blockbuster não pode ser estimulante.Fazer blockbuster inovadores, humanos e reflexivos é o que me entusiasma em meu trabalho.

Mas, para ser justo com as declarações de Foster, ela parece ver o cinema como algo que trata principalmente do seu próprio crescimento pessoal. Para mim isso pode fazer parte do porque faço isso. É comunicação. Minha experiência não é mais do que um discurso nessa roda. Mas respeito Foster e tudo o que ela fez pelo cinema. E aprecio sua forma diferente de ver a indústria de Hollywood" .

Como não podia ser de outra maneira, as palavras de Gunn não demoraram para viralizar e a discussão ficou em aberto. Lembrando as palavras de Foster que acenderam o debate: "Ir ao cinema se tornou um parque de atrações. Que os estúdios estão fazendo filmes ruins para contentar as massas e os acionistas é como fracking, ganham benefícios rápidos, mas pode ser que estejam arruinando o planeta", disse a atriz. "Está acabando com os gostos dos norte-americanos e com os do mundo inteiro. Não quero fazer filmes de super-heróis de 200 milhões de dólares", sentenciou.





por TNT